Arquivos para ‘SEO’ Categoria

Considerações sobre os Google Cloaking Hacks

outubro 6th, 2010

Diante da disseminação dos pharma hacks – denominação comum para o Google Cloaking Hack – e da mobilização para tentar exterminar a praga, aparecem questões interessantes que eu não tenho competência para responder: quem sai ganhando com a disseminação de um malware? A quem, exatamente, as pessoas que os disseminam querem atingir? Por que os mecanismos de busca não cortam o mal pela raiz, criando algoritmos que ignorem os spams? Quem está satisfeito de ver que milhares de páginas aparecendo deturpadas nos mecanismos de busca? Leia Mais »

Tópicos: , , , , , , ,
Publicados em black SEO, Casos, SEO, Web Mastering | Comentários (0)

Quem quer vender viagra?

setembro 17th, 2010
'Viagra for sale'

'Viagra for sale'

Os números são alarmantes. Mais: estarrecedores. Veja por sí – acesse o Google e procure por

inurl:.br cheap cialis cheap viagra

e você terá , em menos de 1 segundo, mais de 82.500 sites brasileiros infectados pelos Pharma Hacks. Esse novo modelo de picaretagem é, devo dizer, o mais bem bolado que eu já vi. Leia Mais »

Tópicos: , , , , , , ,
Publicados em Casos, SEO, Web Mastering | Comentários (2)

Eu quero um site (parte 4) para… bem, não sei ainda…

julho 15th, 2010

Diz o ditado que um homem, para se afirmar como tal, deve escrever um livro, plantar uma árvore e ter um filho. Esse clichê está ultrapassado: no mundo moderno precisamos realizar várias outras tarefas para obtermos um mínimo de hombridade. Quem não tem um endereço de e-mail, hoje em dia, é encarado como um alienígena. Ter um site, um blog ou ao menos participar de um site de networking social também já é considerado como “essencial” para quem tem uma empresa e quer divulgar seu produto e serviço na internet. Leia Mais »

Tópicos: , , , , ,
Publicados em Clientes, SEO, Web Mastering | Comentários (2)

Novidades e perspectivas

maio 20th, 2010

Estamos lançando, neste mês, duas novidades nos websites da Sociedade Brasileira de Endocrinologia. Em primeiro lugar, o tão esperado upgrade do cadastro de associados da SBEM foi realizada e agora o website www.endocrino.org.br é 100% django. Era o que faltava para aposentar as velhas páginas de conteúdo restrito aos associados – webmeetings e links das revistas científicas – ainda sob o layout do século passado. A “área restrita” mudou de nome para “área científica” e o site agora permite que não-associados (e robôs indexadores dos mecanismos de busca) acessem as páginas que antes eram trancadas. O conteúdo exclusivo aos associados continua exclusivo e só aparece depois que o associado fizer o login.

Em paralelo produzimos a nova versão do website da Regional Distrito Federal da SBEM, que foi criado há alguns anos porém não recebia atualizações. Refizemos tudo do zero e aproveitamos o 2º Congresso de Endocrinologia do Centro Oeste para relançar o site com toda a pompa merecida. Dr. Neuton Dornelas, Dr. Julio Cesar F. Jr. e a secretária Luciana estão de parabéns por conseguir montar, em tão pouco tempo, o enorme quebra-cabeças que é produzir um site novo.

O comparecimento ao website da  SBEM-DF é bastante significativo.  Na véspera do congresso recebeu 730 pageviews. Nada mal para um site que está engatinhando.

O sistema administrador da SBEM DF é a primeira aplicação prática do novo CMS produzido pelo companheiro Andrews Medina, com grandes melhorias em relação à versão anterior, e conta com um novíssimo módulo administrador de inscrições em eventos, criado para o 2º Endo Centro Oeste. As inscrições e o acompanhamento dos pagamentos foram on-line. O aplicativo de inscrições foi desenvolvido em poucos dias pelo cearense Italo Maia, que tirou de letra as solicitações urgentes de mudanças na programação que sempre ocorrem nesses projetos de cronograma apertado. É nessas horas que a escolha de um framework versátil e uma linguagem poderosa (Django e Python, no caso, mas existem outras) mostra  seu valor, ou, como se diz hoje em dia, se diferencia.

Outro novo ajudante é gaúcho de Santa Maria – Bruno Gama, que está nos auxiliando em diversas melhorias nos django-sites. Com a experiência e a supervisão do Andrews e agilidade dos dois novos parceiros, a produtividade da minha empresa aumenta nitidamente. Uma equipe antenada e esperta de programadores é tudo o que um webmaster quer.  Os clientes agradecem, elogiam, recomendam. Nós dormimos tranquilos.

Tópicos: , , , , , , , , ,
Publicados em Clientes, SEO, Web Mastering | Comentários (0)

CDBH Online! positivo! operante!

agosto 10th, 2009
CDBH

CDBH

Trabalho instigante, desafiador, perfeccionista, atabalhoado – a equipe foi-se formando à medida em que o projeto demandava talentos – fruto de várias cabeças pensantes em um único objetivo. Este é o projeto do website www.cdbh.com.br.  Fizemos a 6 mãos – O médico endocrinologista Rodrigo Lamounier, atarefado com os tijolos da reforma da casa e com detalhes do layout da home page, e a jornalista Leticia Orlandi, chamada aos 40 do segundo tempo para colocar ordem no meio de campo. Entrou, colocou ordem e ainda ajudou no layout e na arquitetura.

O WordPress foi definido como a melhor plataforma para este website. Essa escolha é estratégica: depende das circunstâncias do mercado – se há ou não disponibilidade de mão de obra (programadores) ; depende das recentes conversas e opiniões de colegas, do que falam as revistas da semana, até da preferência dos hackers desocupados. Até há pouco tempo atrás eles gastavam seu tédio quebrando a segurança do wordpress.

Para mim, o wordpress é tudo de bom. A biblioteca de ferramentas disponíveis é absurda de grande, os upgrades automáticos são uma mão na roda. Estou ficando cada dia mais ágil na customização de páginas, menus e  CSS. O WordPress dá uma pré-mastigada e nos facilita bastante a programação em PHP. Com um trivial de javascript, qualquer um, inclusive eu, faz um site tunado como o do CDBH.

Pra deixar o site na moda, como dizem meus clientes, nada como um slaidechou. Usando o termo técnico adequado, o Featured Content Gallery é simplesmente um MUST hoje em dia. Uma homepage sem um crossfade de imagens é como uma pessoa de camiseta numa festa formal.

A nuvem de tags em 3D entrou no projeto inicial, depois saiu, depois entrou de novo. Há controvérsias quanto a sua utilidade. Bonita e atraente ela ficou. Utilidade ela terá, se a equipe editorial escolher tags interessantes para rodar ali. Veremos sua eficiência nos relatórios de métricas.

Os mapas também merecem atenção. Minha solução padrão, que satisfez a todos os meus antigos clientes, simplesmente não agradou o Rodrigo.  Ele queria meios de criar rotas de acesso. A pesquisa por uma ferramenta nova de mapeamento não durou 5 minutos. Trombei logo com o Umapper, que dispensa comentários. É simples e poderoso.

A idéia é fazer um site institucional com funções bem específicas para agilizar o agendamento de consultas e promover as atividades do CDBH ao seu público.  Tentamos aplicar o máximo de objetividade, o mínimo de firulas, aproveitar todas as formas de interação com o público que a internet nos oferece, e isso inclui todos os bricabraques que os blogs nos oferecem: trackbacks, comentarios,  tags, categorias, etc. e mais o apoio das grandes redes sociais, principalmente google/youtube e twitter, para complementar uma estratégia completa.

O site nem estreou e já tem mais de 100 visitas diárias. Pensando nesse público inicial, desde o primeiro dia que o domínio foi criado já existe uma home page com um mínimo de informação. Todo o trabalho de layout da home page e das páginas internas foi feito online e em realtime, as páginas e artigos foram criados a olhos vistos. Uma certa ousadia bem calculada que resultou numa enorme economia de tempo. Quando a stamina acabava antes do término de alguma etapa, a página era colocada “em rascunho” e não aparecia para o público. Dessa forma nunca decepcionamos ninguém com páginas que existem no menu mas estão “em construção”.

Bem vindo ao cyber espaço, CDBH.

Tópicos: , , , , , , , ,
Publicados em Clientes, Redes Sociais, SEO, Tecnologia, Web 2.0, Web Design, Web Mastering | Comentários (0)

Plugins que deixam seu site na moda

julho 26th, 2009

Nos últimos meses, aumentou bastante minha preferência pelo WordPress. Creio eu que os problemas com invasões foram resolvidos.  Dentre as dezenas de soluções de CMS existentes no mercado, o WP está se destacando por causa de sua enorme biblioteca de temas e assessórios. A última versão, a 2.8, colocou a instalação desses temas e acessórios ao alcance de um clique. Agora, mesmo aquelas pessoas que têm arrepios quando ouvem falar em FTP podem alterar o layout e adicionar ferramentas interessantes em seus sites. Leia Mais »

Tópicos: , , , , , , , , , , , ,
Publicados em Open Source, Redes Sociais, SEO, Tecnologia, Web Mastering | Comentários (2)

Prudência na hora de analisar métricas

julho 6th, 2009

Quem lida com métricas sabe como é complicado interpretá-las.  Loucos como eu que usam dois ou três sistemas de aferição em um mesmo site ficam expostos ao grande problema de ter que explicar ao cliente por que diabos cada sistema mostra um resultado diferente.  Pior que isso só  quando temos que desfazer a confusão que os clientes criam ao analisar por conta própria um relatório. São inúmeras as formas de extrair conclusões equivocadas de números e termos complicados. Leia Mais »

Tópicos: , , , , , ,
Publicados em Clientes, SEO, Web Mastering | Comentários (0)

Mapas de Visitantes

abril 13th, 2009

Vejam abaixo a curiosa distribuição de visitantes recentes a diversos sites por mim monitorados. Resultados como o do site da Rosana Lanzelotte, cravista mais reconhecida lá fora do que aqui no Brasil, são bem fáceis de entender. Mas algumas surpresas apareceram em alguns mapas. O site da SBD, curiosamente, não aponta visitantes europeus. Leia Mais »

Tópicos: , , ,
Publicados em Clientes, SEO | Comentários (0)

Quem tem medo de internet?

março 11th, 2009

Quem tem medo do lobo mau, lobo mau, lobo mau
Quem tem medo do lobo mau, trá-lalála-lá-lá!

Essa música dos três porquinhos zombando do lobo, no disquinho colorido da minha infância, não me sai da memória. Sempre que eu vejo alguém com medo de alguma coisa boba como o mané lobo mau que termina com o rabo queimado, o tralalá me volta à cabeça.

Eu conheço gente que tem medo de internet. Pior. Tenho CLIENTES que têm medo de internet. Isso não seria nada demais se eu não fosse um webmaster. Minha falecida e querida tia Thê tinha medo da internet, mas ela nunca jamais pensou em ter um site para se promover.

Vamos ao “case”. Um cliente (sem nomes para evitar constrangimentos) que há vários anos mantém um site comigo, esporadicamente, quando a secretária insiste muito, me envia algum material para atualizar o site.

primeiro ponto estranho: a secretária precisa empurrar o patrão para atualizar o site?

Na maioria das vezes o serviço consta em atualizar o texto de uma página e replicar galerias feitas com um javascript plugin do dreamweaver, aplicando novas fotos. Esse site foi feito há vários anos, numa época em que as redes sociais ainda engatinhavam. Flickr ainda nem existia. Esse trabalho de atualizar fotos na galeria em javascript é enfadonho e complicado, impossível de ser delegado a um não-nerd.

Gastei a ponta dos dedos de tanto escrever para esse cliente, explicando que, por um custo próximo ao orçamento para atualizar as fotos, eu faria um site inteiro novo para ele, usando plataforma (wordpress) muito mais moderna e vantajosa, e que a partir daí ele mesmo poderia alimentar o site a cada novo trabalho, e assim o Google indexaria melhor o site e ele teria um retorno maior, enfim, o site deixaria de ser a tela de fundo dos monitores da empresa dele para ganhar o mundo e agir como um site comercial deve: captando clientes.

Proposta irrecusável, não acham?

segundo ponto estranho: a proposta foi recusada: o cliente não encara o site como um investimento que deva dar retorno. Muita gente boa considera investimentos em publicidade como “despesa”. Não concordo mas, fazer o que, aceito.

Recentemente chegou outra solicitação de inserção de fotos em galerias do site. Faz parte do meu trabalho, às vezes, contestar as solicitações dos clientes e sugerir alternativas que a minha experiência e/ou meu conhecimento técnico dizem ser melhores opções. Nesse caso específico, recomendei abrir uma conta no Flickr e lá postar as fotos, dividindo-as em coleções assim como é feito dentro da galeria interna do site dele. Desta forma as fotos teriam uma visibilidade muito maior e a marca dela iria se popularizar proporcionalmente.

terceiro ponto estranho: novamente a proposta foi vetada: “não precisamos de mais visibilidade. Faça seu orçamento para publicar as fotos dentro do nosso site, como sempre fizemos”

Meu orçamento foi X para publicar as fotos no site ou X/2 para publicar as fotos no Flickr.

Não obtive mais resposta. Acho que o cliente desistiu de publicar qualquer foto. Com essa mentalidade, estranho até o fato dele insistir em manter um site e gastar dinheiro com hospedagem.

Esse é um caso extremo. De uma pessoa que, provavelmente, se achou obrigada a ter um site porque “todos os outros têm”, mas por razões diversas e inexplicáveis, prefere não usufruir das vantagens de ter um site.

Mas existem casos mais leves onde o cliente resolve investir em um site, animado com a promoção que a sua empresa terá, mas  nem sabe que existem os métodos de medição da eficiência do site – as famosas métricas, que não só nos dizem se a visitação vai bem ou mal, mas também indicam quais as preferências dos leitores, suas características geográficas, técnicas e toda uma gama de informações que podem guiar futuras alterações no site para torná-lo mais eficiente.

quarto e último ponto estranho: São raríssimos os donos de sites que se preocupam com retorno de seus investimentos, o que os entendidos chamam de ROI.

Existem, na verdade, outros que pensam de forma absolutamente (ou perversamente)  inversa. Mas isso é assunto pra outro artigo. Já falei demais por hoje.

Tópicos: , , , , , , , , ,
Publicados em Clientes, Redes Sociais, SEO, Web Mastering | Comentários (1)

Para o alto e avante!

março 3rd, 2009

Oi Dr.

Em Tue, 03 Mar 2009 09:17:41 -0300, Walter Minicucci <walter.minicucci@gmail.com> escreveu:
> Frick
> A visitaçao vem aumentando, mas o tempo medio de viistação caiu e o
> bounce rate aumentou. O quer dizer aumento de bounce rate, que os carinhas desistem antes de carregar a pagina?

A visitação aumenta na medida em que as técnicas de SEO (tags, matérias bem escritas, RSS, etc) aplicadas em seu site funcionam. Seu site é um belo “case” de sucesso de marketing de busca. Abriremos um champagne quando o site alcançar seu primeiro ponto no Pagerank.
Mas esse público em crescimento é, digamos assim, um público bruto, que chega no seu site através de uma busca qualquer no google. Veja uma lista das “queries” mais utilizadas:
8    4.94%    dieta para diabeticos
6    3.70%    receitas de saladas para almoço de diabéticos
4    2.47%    walter minicucci
4    2.47%    dieta para diabetes
4    2.47%    bombas,insulina,walter,minicucci
3    1.85%    GRUPOS DE ALIMENTOS
3    1.85%    refeições para diabeticos
3    1.85%    dieta hipoglicemia
3    1.85%    adoçantes em diabetes
3    1.85%    gasto calorico1.85%    tabela para medir diabetes
2    1.23%    relogio que mede glicose
2    1.23%    glicose media estimada

Repare que o público está se especializando em fazer consultas ao google e as buscas estão cada vez mais refinadas. Buscas refinadas resultam em pesquisas rápidas, porque o internauta sabe o que quer, chega rapidamente na página cuja informação ele precisa e sai rápido também pq o tempo voa e ele precisa terminar a pesquisa antes da aula.
O Bounce rate, ou a taxa de pessoas que visitam uma única página, aumenta proporcionalmente ao crescimento do seu público vindo de sistemas de busca.
Como fazer para diminuir o bouce rate? “qualificando” melhor o seu público – investindo em marketing direcionado a um público alvo específico. Email marketing para pacientes diabéticos, laboratórios, universidades, amigos, clientes… Marketing social em comunidades virtuais como Orkut e Facebook, anuncios em revistas e outros sites especializados, etc.

> Fiz uma analise atraves de um desse analizadores de  site
> que deu nota 7,2 para o site e deram 8,6 para o site da SBD e entre
> outras coisas disseram que tinha muita foto e isto demorava mais para o site
> carregar. Entao decidi tirar as fotos dos que escreveram colunas a mais
> tempo e diminuir algumas fotos talvez as de receitas o que vc acha?

Sua home page tem muita foto sim. Ela carece do mesmo mal da HP da SBD – está comprida demais porque os editores não retiram chamadas antigas enquanto acrescentam novas em cima. Repare que a informação nas barras laterais (menu do lado esquerdo e enquete à esquerda) terminam e o miolo continua metros abaixo. Sugiro uma urgente e radical limpeza, apagando anuncios e desligando o status de “destaque” para as matérias mais antigas.

> Alem disso vc nao me disse o que acha de um quadrado para irem entrando
> os artigos já postados, a mais tempo ou um rotulo de NOVO em recem postados

Se você seguir a minha sugestão acima, a home page fará exatamente o que você quer: as matérias mais recentes ficam na área de destaques enquanto que os artigos postados há mais tempo vão para a coluna de “noticias” e “favoritas” da coluna direita.

Este email está tão interessante que vai virar um post do MEU site. 😛

[] Frick

walter-minicucci-clinica-de-endocrinologia-e-diabetes

Tópicos: , , , , , , , , ,
Publicados em Redes Sociais, SEO, Web Mastering | Comentários (1)

  • Eduardo Frick

    Atualmente em versão 4.6, Eduardo é Webmaster, webdesigner, web-consultor, web-coordenador de projetos. Tem longa experiência em produção gráfica e é fluente em diversas mídias.

    É carioca da gema, mas mora em Mogi das Cruzes, São Paulo. De seu escritório/estúdio, projeta e cria websites, coordena equipes de desenvolvimento e de conteúdo, recruta e supervisiona o trabalho de analistas, programadores, fotógrafos, ilustradores, animadores, redatores e demais especialistas que garantem serviços de qualidade aos seus clientes espalhados por todo o Brasil.

  • Todos os artigos, por Mês.

  • Temas