Arquivos para ‘Clientes’ Categoria

O Passaredo pousou

outubro 4th, 2011

Um dos chalés da pousada

Já falei, em outros artigos, sobre como é divertido trabalhar com produção de sites, principalmente  se diversificamos os projetos e não nos prendemos a um determinado nicho. Isso é relativamente complicado, pois como a minha “publicidade” é feita boca a boca, é natural que um site bem feito, por exemplo, da área médica, traga outros clientes da mesma área.

Já tive ótimas experiências produzindo sites para associações médicas, designers de jóias, músicos, representantes de equipamentos para cinema, fotógrafos, jornalistas, etc etc etc, mas poucas vezes o trabalho foi tão gratificante como este que estamos terminando de aprontar – o novo site da Pousada Passaredo, o meu primeiro website no ramo de hotelaria.

Adoro viajar e frequentemente escolho o hotel ou pousada onde vou me hospedar pela internet. Mas a escolha não é simples. Os sites enganam muito. Não necessariamente por má fé do dono do hotel ou do programador do site, nem necessariamente para pior. Há casos, como o da Pousada Passaredo, em que a imagem que o site transmitia da pousada era muito aquém da realidade do lugar.

Sites de turismo em geral e de hotéis e pousadas, em particular, tendem a exagerar um pouco nas suas virtudes e benfeitorias. Não é incomum o uso de termos como “complexo de diversão infantil” para descrever um parquinho com balanço, escorrega e gangorra. E, obviamente, não informam ao leitor/cliente a lista de defeitos e problemas do lugar. Esta lista o leitor terá que descobrir por si, por meio de inúmeros telefonemas e conversas com os donos ou gerentes dos estabelecimentos, ou da pior maneira – na prática, se hospedando e percebendo que as toalhas são transparentes de tão usadas, que o cobertor não vê a luz do dia há meses, que o colchão vai te deixar inválido na manhã seguinte, que a água da sua casa é mais quente do que a do hotel, que a chaminé da sauna tem um furo para dentro da sauna, e por aí vai. Vejam bem, não estou inventando nada disso,  já presenciei cada uma dessas situações em hotéis e pousadas dos mais variados níveis e preços, a trabalho e lazer.

O site antigo da Pousada Passaredo pecava pelo outro extremo: não conseguia mostrar, de forma plena, todas as qualidades do lugar. Gonçalves é, talvez, a cidade com maior potencial turístico da região sul de Minas Gerais. Boas estradas ligam as badaladas cidades de Monte Verde e Campos do Jordão e Gonçalves está bem no meio do caminho. Aposto que será a próxima cidade serrana da moda. Os turistas, em sua maioria paulistas, são exigentes, podem pagar e exigem alto padrão qualidade. Os donos do Passaredo optaram por seguir este padrão nos serviços, mas ainda não estavam satisfeitos com o site. Numa rápida conversa com eles, soube das observações de outros hóspedes que confirmaram a minha opinião de que o site não estava ao nível da pousada. Todo feito em flash, o site não permitia que os próprios donos atualizassem seu conteúdo e, para variar, a pessoa que fez o site sumiu, atravessou um portal e foi para outra dimensão.

Nesta mesma conversa fizemos a divisão de tarefas, estabelecemos preços e prazos e mãos à obra: em poucos dias já estávamos com layout acertado, novos textos prontos, uma boa coleção de fotos escolhida. Adotamos o Wordperfect como plataforma, um tema específico para hotelaria produzido pela excelente WPZOOM, instalamos uma meia dúzia de plugins para integrar o google maps, forms de contato, e o flickr, e estamos estudando a utilização de um aplicativo para fazer reservas online.

Em breve voltarei lá para fazer as fotos 360 graus para a produção de um passeio virtual. Estamos esperando a melhor época, com as hortênsias em flor. Acredito que este bom trabalho irá chamar outros do mesmo tipo. Tomara. Fazer o website de uma pousada charmosa é tudo de bom.

Tópicos: , , , , , , , , ,
Publicados em 360 graus, Clientes, Fotografia, Fotografia Imersiva, Web Design, Web Mastering | Comentários (0)

Yamnuska.com – da água para o vinho

maio 28th, 2011
novo site do Yamnuska Mountain Adventures

novo site do Yamnuska Mountain Adventures

Conheci muita gente legal enquanto trabalhava na ‘Mergulhar Serviços Editoriais’ – empresa que fazia os fotolitos de várias editoras de renome. Trabalhei lá durante quase 10 anos, antes de decidir abrir a minha própria empresa, largar o mundo das artes gráficas e virar “webdesigner”.

Uma das minhas companheiras de trabalho na Mergulhar, a Helena Artmann (@helenaartmann), era especialmente simpática, não só por causa de seu sorriso cativante, mas por ser uma experiente alpinista, cheia de histórias interessantíssimas e projetos de viagens que me encantavam. Lembro que, na época, ela trabalhava duro para juntar dinheiro suficiente para subir as mais altas montanhas do mundo.

Eu vivia enfurnado dentro do estúdio – sala lotada de computadores, impressoras, scanners – ralando ao lado dos outros operadores que sabiam muito de computação gráfica mas que não compartilhavam dos mesmos gostos que eu tinha, e tenho ainda hoje – Trilhas, escaladas, acampamentos, vida ao ar livre em geral. Helena fazia contatos comerciais, captava clientes e raramente aparecia no estúdio. Mas, quando aparecia, eu parava tudo o que estava fazendo para conseguir alguns minutos de prosa com ela.

Eis que, sei-lá-quantos anos depois, Helena surge novamente, virtualmente falando, no Facebook. Morando no Canadá, numa cidadezinha no sopé das Rocky Mountains e… trabalhando como produtora de websites! Parcerias à vista!

Ela me chamou para ajudá-la na reconstrução do website da Yamnuska Montain Adventures – o nome já diz tudo: uma empresa de turismo especializada em alpinismo, trekking e acampamento nas montanhas rochosas canadenses.

O antigo site yamnuska.com tinha um excelente conteúdo, afinal eles são uma das melhores empresas do ramo, porém o site em si era muito ruim, em vários aspectos. Projeto gráfico pobre, leitura difícil, arquitetura caótica e, principalmente, um esquema de trabalho tão confuso que, mesmo depois de uma dúzia de e-mails e conversas pelo Gtalk, eu não consegui entender por completo. Minha primeira sugestão, imediatamente aprovada pela Helena, foi: Joga tudo fora, exceto o conteúdo. Faremos um novo site, com novo layout, usaremos uma plataforma de programação que permita ao site crescer de forma ordenada e que facilite o trabalho de atualização.

Helena optou pela utilização do Expression Engine, uma excelente plataforma de publicação pouco conhecida aqui no Brasil, mas que ela já tinha usado em outros projetos bem sucedidos.

Resolvemos também trocar de provedor de hospedagem, que era caro e não oferecia nem metade das funcionalidades, suporte e outras regalias oferecidas por um bom provedor. Escolhemos o Media Temple, o melhor provedor que eu conheço. Faríamos a migração do site antigo para o novo provedor, construiríamos o novo site em um domínio provisório e, quando estivesse tudo pronto, seria só trocar o velho pelo novo.

Fizemos a divisão das tarefas – eu faço a migração e Helena faz a troca dos DNS nos registros dos domínios. Tudo muito simples, em tese. Mas…  no dia em que havíamos combinado, houve um atraso, de minha parte, na migração do banco de dados e, quando a Helena fez a troca dos DNS, o site ainda não estava pronto para funcionar no novo provedor. Preocupada em não deixar o site do cliente fora do ar, Helena desfez a troca dos DNS, acreditando que o site voltaria a funcionar em questão de minutos. Não voltou. Para nosso desespero, esse troca-e-destroca fez a propagação dos DNS demorar muito mais do que esperávamos. Para piorar a situação, o site voltou no mundo inteiro MENOS no Canadá. Helena e o cliente só conseguiram ver o site restabelecido 2 dias depois.

Este incidente abalou demais a confiança do cliente em nosso trabalho. Tivemos, Helena principalmente, que suar sangue para recuperar a confiança dos Yamnuskas e apresentar o novo projeto livre de problemas e no prazo combinado.

Logo após de ter terminado a fase de layout, tive que parar todas as minhas atividades profissionais para mudar de cidade, de Caçapava para Mogi das Cruzes. Seria impossível, para mim, continuar trabalhando no site Yamnuska e resolver as mil complicações de escolher uma casa nova, tratar da mudança da família, desmontar e remontar meu home-office. Para minha felicidade, Helena teve competência suficiente para tocar o projeto sozinha, auxiliada por um programador que ela mesma contratou, e fez um excelente trabalho.

No início desta semana, soube, via Facebook, que o novo site yamnuska.com está pronto, funcionando a pleno vapor e, o melhor de tudo, o cliente está satisfeito. Mesmo sem ter participado de todo o projeto, vejo esse site com muito orgulho, e registro aqui os meus parabéns à Helena pela sua dedicação, empenho e perseverança.

Tópicos: , , , , , ,
Publicados em Clientes, Web Design | Comentários (1)

Web Designer x Filho do Vizinho. Quem faz o melhor site?

novembro 12th, 2010
Hello Kitty

Obrigado ao site http://xuxxu.blogspot.com. O que essa imagem está fazendo aqui? Continue lendo.

Essa questão é polêmica e não pretendo, aqui, chegar a uma resposta conclusiva à pergunta enunciada. Mas achei pertinente escrever alguns tópicos sobre o assunto que vão ilustrar bem o tormento que é saber escolher o prestador de serviços mais adequado para montar o seu site. Leia Mais »

Tópicos: , , , , , , , , , , ,
Publicados em Casos, Clientes, Redes Sociais, Tecnologia, Web Design | Comentários (0)

Dia Mundial do Diabetes 2010

outubro 7th, 2010

foto do Cristo por Celso Pupo

Comecei a trabalhar no Hotsite do Dia Mundial do Diabetes em 2006. A ideia era, e continua sendo, montar um website simples, acessível, com “severas restrições orçamentárias” e que funcionasse como um portfolio das atividades programadas para o dia 14 de novembro.

Nos primeiros anos, o conteúdo do site era todo estático e a equipe usava o Macromedia Contribute para atualizar as páginas. Todos os serviços  foram produzidos com ferramentas open-source e funcionaram muito bem. O engine de busca Sphider, por exemplo, ainda é melhor que qualquer outro sistema de busca que eu conheço.

Ano após ano fomos acrescentando tecnologia ao projeto:  uma animação em Flash na home page, scripts em PHP e em javascript permeando o código, integração com os vídeos do youtube, galerias do Flickr. Em novembro de 2008 o site recebeu 19.841 visitas, impulsionado pela bela campanha de iluminação azulada de prédios e monumentos espalhados pelo Brasil e mundo afora. Em novembro de 2009 o site recebeu 16.500 visitas. Fico devendo a explicação da queda de 16% numa época em que o crescimento da internet foi tão intenso no Brasil.

Em 2010 estamos usando a versão 2.0 de nosso CMS em Django, para a felicidade da equipe de conteúdo que já está tão habituada com as ferramentas que praticamente não foi necessário treinamento para que pudessem começar a trabalhar. Nesta versão, melhorias na classificação das postagens facilitam um bocado a organização do conteúdo.

Muitas das soluções que eu usei nos primórdios do projeto, eu uso até hoje, mesmo em sites Django.  O gerenciador Formtools continua sendo a alternativa para administrar formulários, mesmo os mais complicados; e o OpenX não deve nada aos melhores (e caríssimos) aplicativos de Adserver.  Desta forma estou poupando um tempo precioso da minha equipe de programação, que não perde tempo reinventando rodas.

Neste ano, contaremos com o twitter e demais redes sociais para promover a campanha do Dia Mundial do Diabetes e, por conseguinte, aumentar a visitação do site. Outros websites relacionados a diabetes e endocrinologia eventualmente farão matérias com links para o site do Dia Mundial do Diabetes, mas acredito que o apoio maior será o popular. Cada vez mais, as pessoas estão gostando de participar da vida online com seus depoimentos, comentários, vídeos e fotos capturadas por máquinas portáteis ou celulares, promovendo assuntos interessantes e compartilhando links através dos sites de relacionamento. O site do DMD está pronto para centralizar toda esta movimentação em torno do dia 14 de Novembro.

Tópicos: , , , , ,
Publicados em Clientes, Open Source, Redes Sociais, Tecnologia, Web Mastering | Comentários (1)

Música nas Igrejas bombando de novo!

agosto 13th, 2010

Rosana Lanzelotte, a incansável cravista, reativou seu projeto “Música nas Igrejas” com o Festival Primavera Barroca, levando música clássica de qualidade a várias igrejas, escolas e centros comunitários espalhados pelo Rio de Janeiro. Leia Mais »

Tópicos: , , , ,
Publicados em Clientes, Redes Sociais, Tecnologia, Web Mastering | Comentários (0)

Eu quero um site (parte 4) para… bem, não sei ainda…

julho 15th, 2010

Diz o ditado que um homem, para se afirmar como tal, deve escrever um livro, plantar uma árvore e ter um filho. Esse clichê está ultrapassado: no mundo moderno precisamos realizar várias outras tarefas para obtermos um mínimo de hombridade. Quem não tem um endereço de e-mail, hoje em dia, é encarado como um alienígena. Ter um site, um blog ou ao menos participar de um site de networking social também já é considerado como “essencial” para quem tem uma empresa e quer divulgar seu produto e serviço na internet. Leia Mais »

Tópicos: , , , , ,
Publicados em Clientes, SEO, Web Mastering | Comentários (2)

Novidades e perspectivas

maio 20th, 2010

Estamos lançando, neste mês, duas novidades nos websites da Sociedade Brasileira de Endocrinologia. Em primeiro lugar, o tão esperado upgrade do cadastro de associados da SBEM foi realizada e agora o website www.endocrino.org.br é 100% django. Era o que faltava para aposentar as velhas páginas de conteúdo restrito aos associados – webmeetings e links das revistas científicas – ainda sob o layout do século passado. A “área restrita” mudou de nome para “área científica” e o site agora permite que não-associados (e robôs indexadores dos mecanismos de busca) acessem as páginas que antes eram trancadas. O conteúdo exclusivo aos associados continua exclusivo e só aparece depois que o associado fizer o login.

Em paralelo produzimos a nova versão do website da Regional Distrito Federal da SBEM, que foi criado há alguns anos porém não recebia atualizações. Refizemos tudo do zero e aproveitamos o 2º Congresso de Endocrinologia do Centro Oeste para relançar o site com toda a pompa merecida. Dr. Neuton Dornelas, Dr. Julio Cesar F. Jr. e a secretária Luciana estão de parabéns por conseguir montar, em tão pouco tempo, o enorme quebra-cabeças que é produzir um site novo.

O comparecimento ao website da  SBEM-DF é bastante significativo.  Na véspera do congresso recebeu 730 pageviews. Nada mal para um site que está engatinhando.

O sistema administrador da SBEM DF é a primeira aplicação prática do novo CMS produzido pelo companheiro Andrews Medina, com grandes melhorias em relação à versão anterior, e conta com um novíssimo módulo administrador de inscrições em eventos, criado para o 2º Endo Centro Oeste. As inscrições e o acompanhamento dos pagamentos foram on-line. O aplicativo de inscrições foi desenvolvido em poucos dias pelo cearense Italo Maia, que tirou de letra as solicitações urgentes de mudanças na programação que sempre ocorrem nesses projetos de cronograma apertado. É nessas horas que a escolha de um framework versátil e uma linguagem poderosa (Django e Python, no caso, mas existem outras) mostra  seu valor, ou, como se diz hoje em dia, se diferencia.

Outro novo ajudante é gaúcho de Santa Maria – Bruno Gama, que está nos auxiliando em diversas melhorias nos django-sites. Com a experiência e a supervisão do Andrews e agilidade dos dois novos parceiros, a produtividade da minha empresa aumenta nitidamente. Uma equipe antenada e esperta de programadores é tudo o que um webmaster quer.  Os clientes agradecem, elogiam, recomendam. Nós dormimos tranquilos.

Tópicos: , , , , , , , , ,
Publicados em Clientes, SEO, Web Mastering | Comentários (0)

O site que eu quero te vender é o site que você quer comprar?

fevereiro 4th, 2010

O site que eu quero te vender deveria ser o site que você gostaria de ter. Se houvesse tempo para termos longas conversas, disponibilidade para aprender novas concepções de marketing, ferramentas de produção de mídia, ações em redes sociais e, principalmente, intenção em informar além de vender produtos e serviços. Leia Mais »

Tópicos: , , , , , , , , ,
Publicados em Casos, Clientes, Tecnologia, Web Mastering | Comentários (2)

Video conferência pela internet. Funciona?

outubro 29th, 2009

O sucesso das reuniões que utilizam a internet como canal de comunicação (webinar, webmeeting, videoconferência ou videochat – o nome técnico muda mas a essência é a mesma) invariavelmente depende 1) da qualidade das conexões de internet de seus participantes. 2) de um mínimo de tecnologia.

Aqui no Brasil, são raros os serviços de banda larga que cumprem o que prometem, e as redes corporativas ou prediais costumam ratear uma conexão de banda larga entre inúmeros computadores. Já vi casos em que o desempenho de uma “banda larga” era inferior à uma conexão por  linha discada.

Ainda não é costume brasileiro usar webcams e headsets para conversar no computador. Poucos têm o equipamento completo, configurado e funcionando. O skype muitas vezes enguiça por causa de microfonias geradas por volume muito alto ou microfones colocados próximos às saídas de som. Na hora da reunião é sempre aquela correria: pega o fone de ouvido lá no quarto! cadê a webcam? como assim emprestou pro vizinho???  ih o microfone deu mau contato!

Um teste que deve ser feito por todos os participantes, antes das reuniões, está em http://www.speedtest.net/ . Uma sala de videochat com 3 vídeos simultâneos e um canal de áudio demanda uma boa taxa de transmissão de dados:
Taxas de download abaixo de 500Kb/s, ou 0,5Mb/s podem não ser suficientes, principalmente se a conexão estiver instável.
Taxas de upload acima de 200Kb/s ou 0,2Mb/s são recomendadas.

Para vocês terem uma idéia, meu teste atual no Speedtest.net deu 4.66 Mb/s de download e 0.58Mb/s de upload. Meu contrato é de 6Mb de download e 1Mb/s de upload.

Outras soluções que realmente funcionam utilizam hardware proprietário (micros especiais, modems, telões, etc), várias linhas ISDN ligadas em paralelo para a transmissão… e custam uma fortuna.

O Skype e outros programas gratuitos, como o MSN e o Gtalk, só permitem a conexão com video E áudio apenas entre 2 pessoas, e olhe lá. Mesmo para reuniões sem o uso de webcams, o áudio do skype nem sempre funciona.

O camfrog é diferente porque o cliente paga para hospedar uma “sala virtual” em um servidor otimizado para este tipo de aplicação. O custo mínimo desta hospedagem é R$35 mensais ou R$252 anuais para até 400 participantes simultâneos (http://www.frogfriendshosting.com).

Há um programa gratuito em que os participantes conversam por áudio e texto, e cada um vê até 3 vídeos simultâneos de outros participantes. A versão paga (R$80 cada licença) do mesmo programa permite até 100 vídeos simultâneos, entre outras vantagens. http://www.frogfriendsbrasil.com/?op=pro A SBEM Nacional comprou 7 e levou 10 licenças depois que eu chorei um desconto.

A SBEM está satisfeita com o camfrog. A dinâmica das reuniões, por causa das limitações do ambiente e das ferramentas disponíveis no software, é diferente de uma reunião tradicional. Alguns dos convidados não conseguem falar ou ouvir por não estarem com equipamento ajustado ou por intermitências na conexão com a internet.

Existem outras alternativas, como a versão gratuita do Dimdim – http://webmeeting.dimdim.com/ que têm ferramentas específicas para apresentações e demonstrações e agregam até 20 usuários em cada reunião online. Já usei o dimdim em muitas reuniões.

O twitcam também é uma ferramenta gratuita e genial para broadcast. Qualquer pessoa com uma taxa de upload maior que 16Kbps, um microfone e uma webcam agora pode fazer o seu próprio telejornal ao vivo. O twitter serve como canal de comunicação entre quem está transmitindo o vídeo e os telespectadores que querem participar com perguntas e observações.

Tópicos: , , , , , , , , , , ,
Publicados em Clientes, multimidia, Tecnologia | Comentários (1)

Eu quero um site (parte 3)

outubro 22nd, 2009

Em Thu, 22 Oct 2009 11:58:28 -0200, Fulana escreveu:

Obrigada Eduardo pela sua rápida resposta. Só mais uma última pergunta que esqueci: as atualizações. Eu gostaria de fazê-las eu mesma mas caso a opção fosse para que você as faça esporadicamente, quanto seria o custo? Você cobraria algum fee mensal? Leia Mais »

Tópicos: , , , , , , ,
Publicados em Clientes, Redes Sociais, Tecnologia, Web Mastering | Comentários (0)

  • Eduardo Frick

    Atualmente em versão 4.6, Eduardo é Webmaster, webdesigner, web-consultor, web-coordenador de projetos. Tem longa experiência em produção gráfica e é fluente em diversas mídias.

    É carioca da gema, mas mora em Mogi das Cruzes, São Paulo. De seu escritório/estúdio, projeta e cria websites, coordena equipes de desenvolvimento e de conteúdo, recruta e supervisiona o trabalho de analistas, programadores, fotógrafos, ilustradores, animadores, redatores e demais especialistas que garantem serviços de qualidade aos seus clientes espalhados por todo o Brasil.

  • Todos os artigos, por Mês.

  • Temas