Tópico: ‘Redes Sociais’

Yamnuska.com – da água para o vinho

maio 28th, 2011
novo site do Yamnuska Mountain Adventures

novo site do Yamnuska Mountain Adventures

Conheci muita gente legal enquanto trabalhava na ‘Mergulhar Serviços Editoriais’ – empresa que fazia os fotolitos de várias editoras de renome. Trabalhei lá durante quase 10 anos, antes de decidir abrir a minha própria empresa, largar o mundo das artes gráficas e virar “webdesigner”.

Uma das minhas companheiras de trabalho na Mergulhar, a Helena Artmann (@helenaartmann), era especialmente simpática, não só por causa de seu sorriso cativante, mas por ser uma experiente alpinista, cheia de histórias interessantíssimas e projetos de viagens que me encantavam. Lembro que, na época, ela trabalhava duro para juntar dinheiro suficiente para subir as mais altas montanhas do mundo.

Eu vivia enfurnado dentro do estúdio – sala lotada de computadores, impressoras, scanners – ralando ao lado dos outros operadores que sabiam muito de computação gráfica mas que não compartilhavam dos mesmos gostos que eu tinha, e tenho ainda hoje – Trilhas, escaladas, acampamentos, vida ao ar livre em geral. Helena fazia contatos comerciais, captava clientes e raramente aparecia no estúdio. Mas, quando aparecia, eu parava tudo o que estava fazendo para conseguir alguns minutos de prosa com ela.

Eis que, sei-lá-quantos anos depois, Helena surge novamente, virtualmente falando, no Facebook. Morando no Canadá, numa cidadezinha no sopé das Rocky Mountains e… trabalhando como produtora de websites! Parcerias à vista!

Ela me chamou para ajudá-la na reconstrução do website da Yamnuska Montain Adventures – o nome já diz tudo: uma empresa de turismo especializada em alpinismo, trekking e acampamento nas montanhas rochosas canadenses.

O antigo site yamnuska.com tinha um excelente conteúdo, afinal eles são uma das melhores empresas do ramo, porém o site em si era muito ruim, em vários aspectos. Projeto gráfico pobre, leitura difícil, arquitetura caótica e, principalmente, um esquema de trabalho tão confuso que, mesmo depois de uma dúzia de e-mails e conversas pelo Gtalk, eu não consegui entender por completo. Minha primeira sugestão, imediatamente aprovada pela Helena, foi: Joga tudo fora, exceto o conteúdo. Faremos um novo site, com novo layout, usaremos uma plataforma de programação que permita ao site crescer de forma ordenada e que facilite o trabalho de atualização.

Helena optou pela utilização do Expression Engine, uma excelente plataforma de publicação pouco conhecida aqui no Brasil, mas que ela já tinha usado em outros projetos bem sucedidos.

Resolvemos também trocar de provedor de hospedagem, que era caro e não oferecia nem metade das funcionalidades, suporte e outras regalias oferecidas por um bom provedor. Escolhemos o Media Temple, o melhor provedor que eu conheço. Faríamos a migração do site antigo para o novo provedor, construiríamos o novo site em um domínio provisório e, quando estivesse tudo pronto, seria só trocar o velho pelo novo.

Fizemos a divisão das tarefas – eu faço a migração e Helena faz a troca dos DNS nos registros dos domínios. Tudo muito simples, em tese. Mas…  no dia em que havíamos combinado, houve um atraso, de minha parte, na migração do banco de dados e, quando a Helena fez a troca dos DNS, o site ainda não estava pronto para funcionar no novo provedor. Preocupada em não deixar o site do cliente fora do ar, Helena desfez a troca dos DNS, acreditando que o site voltaria a funcionar em questão de minutos. Não voltou. Para nosso desespero, esse troca-e-destroca fez a propagação dos DNS demorar muito mais do que esperávamos. Para piorar a situação, o site voltou no mundo inteiro MENOS no Canadá. Helena e o cliente só conseguiram ver o site restabelecido 2 dias depois.

Este incidente abalou demais a confiança do cliente em nosso trabalho. Tivemos, Helena principalmente, que suar sangue para recuperar a confiança dos Yamnuskas e apresentar o novo projeto livre de problemas e no prazo combinado.

Logo após de ter terminado a fase de layout, tive que parar todas as minhas atividades profissionais para mudar de cidade, de Caçapava para Mogi das Cruzes. Seria impossível, para mim, continuar trabalhando no site Yamnuska e resolver as mil complicações de escolher uma casa nova, tratar da mudança da família, desmontar e remontar meu home-office. Para minha felicidade, Helena teve competência suficiente para tocar o projeto sozinha, auxiliada por um programador que ela mesma contratou, e fez um excelente trabalho.

No início desta semana, soube, via Facebook, que o novo site yamnuska.com está pronto, funcionando a pleno vapor e, o melhor de tudo, o cliente está satisfeito. Mesmo sem ter participado de todo o projeto, vejo esse site com muito orgulho, e registro aqui os meus parabéns à Helena pela sua dedicação, empenho e perseverança.

Tópicos: , , , , , ,
Publicados em Clientes, Web Design | Comentários (1)

Web Designer x Filho do Vizinho. Quem faz o melhor site?

novembro 12th, 2010
Hello Kitty

Obrigado ao site http://xuxxu.blogspot.com. O que essa imagem está fazendo aqui? Continue lendo.

Essa questão é polêmica e não pretendo, aqui, chegar a uma resposta conclusiva à pergunta enunciada. Mas achei pertinente escrever alguns tópicos sobre o assunto que vão ilustrar bem o tormento que é saber escolher o prestador de serviços mais adequado para montar o seu site. Leia Mais »

Tópicos: , , , , , , , , , , ,
Publicados em Casos, Clientes, Redes Sociais, Tecnologia, Web Design | Comentários (0)

Panoramas das Torcidas

novembro 1st, 2010

Meu lema é: sempre tentar unir o útil ao agradável. Especialmente na vida profissional, procuro atividades que sejam ao mesmo tempo prazeirosas e rentáveis. Leia Mais »

Tópicos: , , , , , , , , , , ,
Publicados em Gigapans, Tecnologia | Comentários (0)

Eu quero um site (parte 4) para… bem, não sei ainda…

julho 15th, 2010

Diz o ditado que um homem, para se afirmar como tal, deve escrever um livro, plantar uma árvore e ter um filho. Esse clichê está ultrapassado: no mundo moderno precisamos realizar várias outras tarefas para obtermos um mínimo de hombridade. Quem não tem um endereço de e-mail, hoje em dia, é encarado como um alienígena. Ter um site, um blog ou ao menos participar de um site de networking social também já é considerado como “essencial” para quem tem uma empresa e quer divulgar seu produto e serviço na internet. Leia Mais »

Tópicos: , , , , ,
Publicados em Clientes, SEO, Web Mastering | Comentários (2)

Eu, ao vivo

maio 19th, 2010

Aqui você assiste a tudo o que o meu Iphone vê. Graças a um aplicativo gratuito, o Qik Live, podemos transmitir video e audio, via internet banda larga ou 3G. Leia Mais »

Tópicos: , , , , ,
Publicados em multimidia, Redes Sociais, Tecnologia, Web 2.0 | Comentários (0)

É necessário investir em redes sociais?

março 21st, 2010

Sempre que este tema chega a uma reunião com clientes, enquanto eu discurso sobre as diversas redes sociais e como podemos usá-las em nosso favor, além da necessidade de atualizar o conteúdo do website com frequência, eles me olham com espanto e incredulidade. A dúvida estampada é “mas ter um site não é suficiente? esse negócio de twitter é para garotos! essa coisa de redes sociais é mesmo necessária?? Quem foi que falou em atualizar conteúdo, eu só queria colocar o meu logotipo e o meu telefone, não precisa atualizar nada… ” Leia Mais »

Tópicos: , , , , , , ,
Publicados em Tecnologia, Web 2.0 | Comentários (2)

O site que eu quero te vender é o site que você quer comprar?

fevereiro 4th, 2010

O site que eu quero te vender deveria ser o site que você gostaria de ter. Se houvesse tempo para termos longas conversas, disponibilidade para aprender novas concepções de marketing, ferramentas de produção de mídia, ações em redes sociais e, principalmente, intenção em informar além de vender produtos e serviços. Leia Mais »

Tópicos: , , , , , , , , ,
Publicados em Casos, Clientes, Tecnologia, Web Mastering | Comentários (2)

Fotos Panorâmicas, ou melhor, Gigapans!

janeiro 18th, 2010

Logo que o Obama (o Barack, não o Bin Laden)  foi eleito, uma nova tecnologia que permite a montagem de inúmeras fotografias em uma só imagem panorâmica, aliada a uma nova rede social – www.gigapan.org – começou a fazer muito sucesso. A foto panorâmica do discurso da posse do presidente já foi vista por 11 milhões de internautas. Leia Mais »

Tópicos: , , , , , ,
Publicados em Fotografia Imersiva, multimidia, Redes Sociais, Tecnologia, Web 2.0 | Comentários (0)

Video conferência pela internet. Funciona?

outubro 29th, 2009

O sucesso das reuniões que utilizam a internet como canal de comunicação (webinar, webmeeting, videoconferência ou videochat – o nome técnico muda mas a essência é a mesma) invariavelmente depende 1) da qualidade das conexões de internet de seus participantes. 2) de um mínimo de tecnologia.

Aqui no Brasil, são raros os serviços de banda larga que cumprem o que prometem, e as redes corporativas ou prediais costumam ratear uma conexão de banda larga entre inúmeros computadores. Já vi casos em que o desempenho de uma “banda larga” era inferior à uma conexão por  linha discada.

Ainda não é costume brasileiro usar webcams e headsets para conversar no computador. Poucos têm o equipamento completo, configurado e funcionando. O skype muitas vezes enguiça por causa de microfonias geradas por volume muito alto ou microfones colocados próximos às saídas de som. Na hora da reunião é sempre aquela correria: pega o fone de ouvido lá no quarto! cadê a webcam? como assim emprestou pro vizinho???  ih o microfone deu mau contato!

Um teste que deve ser feito por todos os participantes, antes das reuniões, está em http://www.speedtest.net/ . Uma sala de videochat com 3 vídeos simultâneos e um canal de áudio demanda uma boa taxa de transmissão de dados:
Taxas de download abaixo de 500Kb/s, ou 0,5Mb/s podem não ser suficientes, principalmente se a conexão estiver instável.
Taxas de upload acima de 200Kb/s ou 0,2Mb/s são recomendadas.

Para vocês terem uma idéia, meu teste atual no Speedtest.net deu 4.66 Mb/s de download e 0.58Mb/s de upload. Meu contrato é de 6Mb de download e 1Mb/s de upload.

Outras soluções que realmente funcionam utilizam hardware proprietário (micros especiais, modems, telões, etc), várias linhas ISDN ligadas em paralelo para a transmissão… e custam uma fortuna.

O Skype e outros programas gratuitos, como o MSN e o Gtalk, só permitem a conexão com video E áudio apenas entre 2 pessoas, e olhe lá. Mesmo para reuniões sem o uso de webcams, o áudio do skype nem sempre funciona.

O camfrog é diferente porque o cliente paga para hospedar uma “sala virtual” em um servidor otimizado para este tipo de aplicação. O custo mínimo desta hospedagem é R$35 mensais ou R$252 anuais para até 400 participantes simultâneos (http://www.frogfriendshosting.com).

Há um programa gratuito em que os participantes conversam por áudio e texto, e cada um vê até 3 vídeos simultâneos de outros participantes. A versão paga (R$80 cada licença) do mesmo programa permite até 100 vídeos simultâneos, entre outras vantagens. http://www.frogfriendsbrasil.com/?op=pro A SBEM Nacional comprou 7 e levou 10 licenças depois que eu chorei um desconto.

A SBEM está satisfeita com o camfrog. A dinâmica das reuniões, por causa das limitações do ambiente e das ferramentas disponíveis no software, é diferente de uma reunião tradicional. Alguns dos convidados não conseguem falar ou ouvir por não estarem com equipamento ajustado ou por intermitências na conexão com a internet.

Existem outras alternativas, como a versão gratuita do Dimdim – http://webmeeting.dimdim.com/ que têm ferramentas específicas para apresentações e demonstrações e agregam até 20 usuários em cada reunião online. Já usei o dimdim em muitas reuniões.

O twitcam também é uma ferramenta gratuita e genial para broadcast. Qualquer pessoa com uma taxa de upload maior que 16Kbps, um microfone e uma webcam agora pode fazer o seu próprio telejornal ao vivo. O twitter serve como canal de comunicação entre quem está transmitindo o vídeo e os telespectadores que querem participar com perguntas e observações.

Tópicos: , , , , , , , , , , ,
Publicados em Clientes, multimidia, Tecnologia | Comentários (1)

Eu quero um site (parte 3)

outubro 22nd, 2009

Em Thu, 22 Oct 2009 11:58:28 -0200, Fulana escreveu:

Obrigada Eduardo pela sua rápida resposta. Só mais uma última pergunta que esqueci: as atualizações. Eu gostaria de fazê-las eu mesma mas caso a opção fosse para que você as faça esporadicamente, quanto seria o custo? Você cobraria algum fee mensal? Leia Mais »

Tópicos: , , , , , , ,
Publicados em Clientes, Redes Sociais, Tecnologia, Web Mastering | Comentários (0)

  • Eduardo Frick

    Atualmente em versão 4.6, Eduardo é Webmaster, webdesigner, web-consultor, web-coordenador de projetos. Tem longa experiência em produção gráfica e é fluente em diversas mídias.

    É carioca da gema, mas mora em Mogi das Cruzes, São Paulo. De seu escritório/estúdio, projeta e cria websites, coordena equipes de desenvolvimento e de conteúdo, recruta e supervisiona o trabalho de analistas, programadores, fotógrafos, ilustradores, animadores, redatores e demais especialistas que garantem serviços de qualidade aos seus clientes espalhados por todo o Brasil.

  • Todos os artigos, por Mês.

  • Temas